TARSILA DO AMARAL NO MUNDO CONTEMPORÂNEO


1 TÍTULO DO PROJETO: TARSILA DO AMARAL NO MUNDO CONTEMPORÂNEO
  
2 APRESENTAÇÃO

Propor situações de aprendizagens significativas, visando assim contribuir para o ensino de arte na escola; bem como experimentar e conhecer instrumentos e procedimentos diversos, nos trabalhos pessoais, apreciando e contextualizando com todo o grupo de alunos da série. Diante deste contexto é necessário construir uma relação de autoconfiança com a produção artística pessoal e conhecimento estético respeitando a própria produção e dos colegas; articulando a percepção, a imaginação e a reflexão ao realizar as produções em arte.
O projeto será aplicado no Instituto de Educação Tarsila do Amaral, numa turma de 8ª série do ensino fundamental, sendo que a turma é composta de 38 alunos, na faixa etária de 12 aos 14 anos. A turma é bastante ativa, apresentando dificuldades para concentrar-se, porém realiza atividades com empenho e dedicação.
O espaço disponível para as aulas de artes são a própria sala de aula dos alunos,  ou a sala para Artes Visuais que a escola dispõe. Temos também biblioteca, com bibliotecária; o que possibilita a realização de trabalhos, de pesquisa extraclasse; além do Laboratório de Informática, que poderá ser usado para pesquisa em diferentes sites sobre o assunto.

3 OBJETIVOS

·    Entender a arte como forma de construção poética, que adquire sentido em um contexto sócio cultural.
·    Estabelecer relações entre uma produção artística e seu período histórico.
·    Reconhecer a pluralidade e a diversidade cultural, através de manifestações artísticas produzidas na contemporaneidade e na história, bem como refletir sobre imagens presentes na mídia.
·    Elaborar produções artísticas, utilizando elementos básicos da linguagem visual.
·    Abordar a leitura de imagem de forma contextualizada.
· Conhecer e apreciar algumas das obras da artista Tarsila do Amaral.


4 JUSTIFICATIVA / RELEVÂNCIA
O tema do Projeto foi sugerido pela professora da turma dando assim continuidade ao Plano de Estudos da disciplina. A proposta de situação de aprendizagem propõe uma sequência de apreciação-pesquisa-produção-reflexão a partir do diálogo entre as diferentes linguagens da arte (vídeo, desenho, pintura, colagem e fotografia) tendo como objetivo conhecer e estudar as obras da artista Tarsila do Amaral.
Partindo de indagações básicas como: Que tipo conhecimento caracteriza a arte? Qual a função da arte na sociedade? Que contribuições específicas que arte traz para a educação do ser humano? Que contribuições da arte podem ser significativas e vivas dentro da escola? Como podemos contextualizar ensino de arte, contribuindo assim para a formação de um pensamento baseado na abordagem triangular de Ana Mae Barbosa, que contempla apreciação (ver), produção (fazer) e contextualização (estabelecer relações)?
Diante de tantas questões relevantes, percebo a importância deste projeto, desafiando assim meus alunos a conhecer e entender as diferentes formas de manifestações artísticas dentro de um contexto social.
Precisamos levar a arte que hoje está circunscrita a um mundo socialmente limitada a se expandir-se, tornando-se patrimônio da maioria e elevando  o nível de qualidade de vida da população.”   Ana   Mae   Barbosa
Através da formação de crianças e jovens, o ensino de arte, deve possibilitar o contato com o universo artístico e suas linguagens: arte visual, teatro, dança música e literatura.  Porém percebe-se que na prática o ensino de artes passa por sérios problemas, muitas vezes não sendo valorizado.  
Em muitas de nossas escolas, os profissionais destinados ao ensino de arte não apresentam formação, e a carga horária destinada ao ensino de artes é pequeno, demonstrando a desvalorização desta disciplina.
Atualmente muito tem se discutido a respeito desse assunto, é preciso entender que a arte como ramo do conhecimento em mesmo pé de igualdade que as outras disciplinas dos currículos escolares. É preciso reconhecer que arte exerce papel fundamental na educação, é agente de transformação e de conscientização da sociedade.
Precisamos ter consciência que através do fazer artístico e a fruição estética contribuem para o desenvolvimento de crianças e jovens, aceitar que o fazer artístico e a fruição estética contribuem para o desenvolvimento de crianças e de jovens é ter a certeza da capacidade que eles têm de ampliar o seu potencial cognitivo e assim conceber e olhar o mundo de modos diferentes. Esta postura deve estar internalizada nos educadores, a fim de que a prática pedagógica tenha coerência, possibilitando ao educando conhecer o seu repertório cultural e entrar em contato com outras referências, sem que haja a imposição de uma forma de conhecimento sobre outra, sem dicotomia entre reflexão e prática.

5 ESTRATÉGIAS  DE AÇÃO E DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES
Através do projeto pretendo abordar questões relevantes sobre o período histórico em que viveu Tarsila do Amaral, criando assim condições para que os alunos conheçam um pouco da vida e obras da artista. A partir daí proporcionar aos alunos contato com as obras, bem como leitura de imagem, releitura. As obras sugeridas serão: Abaporu, A negra, Operários, A família, Autorretrato,  Pescadores, Ovo ou Urutu, Sol Poente.

6 PROCEDIMENTOS E METODOLOGIAS
 Seguindo a abordagem triangular proposta pela Ana Mae Barbosa, tendo como base a apreciação, a produção e a contextualização, pretende-se desafiar a turma a estudar, conhecer obras da artista e depois criar suas próprias obras. Para isso, seguiremos um roteiro:
·  Apresentação de slides e vídeo sobre a artista Tarsila do Amaral, onde os alunos conheceram um pouco da vida da artista e as fases da pintura no Brasil.
·  Apresentação de um clipe, abordando a leitura de imagens, através da música.
·  Discussão sobre releitura, cópia e apropriação, seguindo a análise de releituras de obras famosas feitas por diferentes artistas através de uma apresentação em Power point, utilizando projetor multimídia.
·  Pesquisa na internet sobre a artista e suas obras,  momento lúdico com jogos online e uso de manipulação de imagens .
· Aproveitamento de materiais reciclados para a releitura das obras.
·  Organização de grupos para a releitura de algumas obras da artista como: A negra, A família, Operários, Abaporu, Autorretrato, Pescadores, Ovo ou Urutu, Sol Poente.

7 CRONOGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DAS AULAS: (4 encontros de um período cada).

1º encontro: Apresentação do projeto e discussão sobre assuntos que iremos trabalhar. Após assistiremos um vídeo sobre a vida de Tarsila do Amaral, conhecendo um pouco de sua vida e obras.
 Abordaremos de forma rápida, a leitura de imagem, cópia, apropriação, assistindo o clipe da Banda Hold Your Horses com a música 70 Million, e após uma apresentação em Power point com algumas releituras feitas por alguns artistas.
2º encontro: Pesquisa na internet sobre a artista e suas obras e momento lúdico com jogos online.
3º encontro: Organização dos grupos para releituras de algumas das obras da artista, seguindo alguns critérios de escolha: Pintura em tempera, colagem, grafite, colagem, fotografia, manipulação de imagens.
4º encontro:  Continuação dos trabalhos da aula anterior, seguindo as obras de cada grupo.   Apresentação das obras produzidas pelos alunos, possibilitando assim a apreciação e contemplação por parte dos alunos, socializando os trabalhos. Faremos um momento de reflexão sobre as releituras feitas, onde cada aluno poderá dizer como se sentiu ao realizar as atividades.
Após esse encontro, exposição das obras, dando oportunidade das outras séries apreciarem os trabalhos da turma.

8 RECURSOS UTILIZADOS
 Para desenvolver o presente projeto usaremos os recursos disponíveis na escola como: projetor multimídia, sala de informática e computadores pelo grupo que trabalhará a manipulação de imagens. Além desses recursos disponíveis também usaremos material de uso comum das aulas de arte como: têmpera, pincéis, cola jornal, revistas, máquina fotográfica, impressora, folha tamanho A3, lápis de cor, giz de cera, giz pastel, tinta acrílica; bem como materiais recicláveis trazidos pelos alunos.

9 AVALIAÇÃO

HOFFMANN (1993), entende avaliação como uma ação provocativa do professor, desafiando o aluno a refletir sobre as experiências vividas, a formular e reformular hipóteses, direcionando para um saber enriquecido.
Para mim a avaliação  é um processo de reflexão sobre  nossa prática, considerando o que se aprende e como se aprende, mais do que dar uma nota serve para diagnosticar, como também repensar nossa prática. O ato de avaliar não pode ser entendido como um momento final do processo em que  se verifica o que o aluno alcançou. A questão não está, portanto, em tentar uniformizar o comportamento do aluno, mas em criar condições de aprendizagem que permitam a ele, qualquer que seja seu nível, evoluir na construção de seu conhecimento.
Considero importante dentro do processo de avaliação, a auto avaliação  dos aluno pois faz com que eles possam refletir, repensar e rever sua participação no processo.
 
1o REFERENCIAS:

BARBOSA, Ana Mae. (Org.) Inquietações e mudanças no ensino da arte. São Paulo: Cortez, 2002.

HERNANDEZ, Fernando, Cultura Visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 2000.

 Mirian Celeste Martins - Projetos em Ação no Ensino de Arte Documento Word

Sandra Corassa - Planejamento de Ensino PowerPoint

Vídeos do youtube

 Sites com obras da artista Tarsila do Amaral

Textos sugeridos pela Disciplina na plataforma.

Sites para pesquisa:







 Colaboração: Véra Wagner

          Obras Escolhidas para a releitura:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário