MULTICULTURALISMO E O ENSINO MÉDIO

Sendo a área de Artes, rica em possibilidades e apta a articular com as demais áreas, podemos então organizar projetos educacionais que contemplem a interdisciplinaridade e o Multiculturalismo.

Compreendendo que o Multiculturalismo assume diversas formas no campo artístico, sem desviar-se do caráter engajado e intervencionista, percebe-se seu papel na construção do conhecimento artístico/cultural dos educandos. Conforme os PCNs do Ensino Médio: “Conhecer arte no Ensino Médio significa os alunos apropriarem-se de saberes culturais e estéticos inseridos nas práticas de produção e apreciação artísticas, fundamentais para a formação e o desempenho social do cidadão” (BRASIL, p.46,1998).

Portanto confirma-se a importância do currículo escolar na construção do conhecimento artístico do aluno, currículo esse que deve propiciar/evidenciar a temática “Multicultural” desde o Ensino Fundamental e consequentemente aprofundado no Ensino Médio.

A aplicação de projetos educacionais traz a necessidade de estabelecer diversas parcerias entre professores responsáveis pelas demais disciplinas, sem, no entanto, perder o foco e a especificidade de cada uma. Essa parceria é valida com o intuito de propiciar ao aluno a ampliação de seu universo cultural. Desta forma “os momentos de disciplinar idades ou de trânsitos entre fronteiras de conhecimento, objetivam uma educação transformadora e responsável, preocupada com a formação e identidade do cidadão” (PCNs EM, p.49).

Ana Mae nos traz uma visão multicultural do ensino da arte, apresentada na Proposta Triangular, sem, no entanto, aprofundar-se na questão metodológica e teórica. Conforme Barbosa (1994, p.33) a educação em arte “[...] deve exercer o principio democrático de acesso à informação de todas as classes sociais, propiciando-se na multiculturalidade brasileira uma aproximação de códigos culturais dos diferentes grupos”. Destacava [...] a idéia de reforçar a herança artística  e estética dos alunos com base em seu meio ambiente, (advertindo que) se não for bem concluída, pode criar guetos culturais e manter os grupos amarrados aos códigos de sua própria cultura sem possibilitar decodificações de outras culturas.”(BARBOSA,1994,p.24)


BARBOSA, A. M. A imagem no ensino da arte. 2. ed. São Paulo:Perspectiva. 1994.
BRASIL, Secretaria de Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio: pluralidade cultural/orientação sexual. Brasília. DF, 1997. V.10.


Disponível em:
Acesso em Janeiro/2012
Colaboração de Roseli Souza

Nenhum comentário:

Postar um comentário